Em 18 anos, UFBA reduz pela metade o consumo de água

Download PDF

É possível economizar água em órgãos públicos? Ao longo dos últimos 18 anos, a UFBA vem mostrando que sim. Por meio do programa Água Pura – Programa de Uso Racional de Água e Energia, criado em 2001, que atua na conscientização do uso dos recursos hídricos em todas as unidades da instituição, a UFBA já reduziu o consumo total quase pela metade.

Enquanto em 2000 – último ano antes da implantação do programa – o consumo de água na UFBA atingiu o patamar de 450 mil metros cúbicos, em 2018 esse número caiu para 240 mil metros cúbicos – uma queda de 46,6%. Já o consumo por pessoa na Universidade caiu mais ainda no mesmo período: de 42 litros para 18 litros por pessoa por dia, uma redução de impressionantes 57%. Em suma: em 2018, a UFBA registrou o menor consumo de água em 18 anos.

consumo-populacao

Fonte: Programa Água Pura

A economia nos últimos anos equivale a 360 piscinas olímpicas, ou ao consumo de mais de 16 mil pessoas ao longo de um ano. Trata-se de uma queda progressiva, que aconteceu mesmo com a franca expansão da Universidade, que nos últimos cinco anos ampliou sua área construída em 11% e teve crescimento de 12% de matrículas na graduação e 37% na pós-graduação. Atualmente, a UFBA tem 397,4 mil metros quadrados de área construída, além de 294,4 mil metros quadrados de área verde, que também requerem cuidados. A população de usuários da Universidade chega a quase 50 mil pessoas, somados estudantes, técnico-administrativos e docentes.

consumo-geral-ufba

Fonte: Programa Água Pura

A economia na conta de água, contudo, não se traduz em contas mais baratas, já que os preços das tarifas dispararam ao longo dos anos. Órgãos públicos pagam atualmente a tarifa de R$ 86,80 por mês até o limite de seis metros cúbicos, e R$ 3,31 de sete a dez metros cúbicos. Em 2000, esse valor era de R$ 16,96 até dez metros cúbicos. Apenas comparando, em razão dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário possuírem tarifas diferenciadas segundo as categorias de usuários, características do imóvel e faixa de consumo, uma residência normal ou de veraneio paga R$ 29,90 pelos mesmos seis metros cúbicos.

Um olhar nas contas dos últimos cinco anos mostra o impacto da disparada das tarifas no orçamento da Universidade: os 240 mil litros de água consumidos em 2018, a um custo de R$ 6,7 milhões, foram a menor quantidade consumida desde 2014; mas a conta anual, ao invés de cair, subiu: ficou R$ 1 milhão mais cara.

graficoaguaufba

Fonte: Relatório de Gestão / Proplan

Localizado no quarto andar da Escola Politécnica, o programa Água Pura tem a coordenação da engenheira sanitarista e ambiental Maria do Socorro Gonçalves. A servidora técnica-administrativa, mestre em Engenharia Ambiental Urbana, está no programa desde 2009, período que exerceu a vice-coordenação. Atualmente, ela conta com o apoio de sete bolsistas, todos estudantes do curso de Engenharia Sanitária e Ambiental, sendo dois deles do programa Permanecer, um do Pibiex e quatro de Programas Especiais.

Seminário Ondina (2)

Seminário mostrou os resultados do programa Água Pura, na última quinta-feira, 22, no campus de Ondina

O programa conta com representantes em todas as unidades da UFBA, que registram diariamente o consumo de água no sistema Agua Pura Vianet, desenvolvido em 2004. Dessa forma, comparando a média de consumo do local, é possível identificar com rapidez vazamentos e desperdícios. Todos os públicos interessados em fazer o acompanhamento em casa, comércio ou empresa, também podem ter acesso ao sistema de forma gratuita, simples e intuitiva. Basta acessar a página do programa, clicar no botão “Como Participar” e solicitar o pré-cadastro, e uma senha é liberada logo em seguida.

Na última quinta-feira, 22 de agosto, no campus de Ondina, foi realizado um seminário que apresentou os resultados dos últimos dois anos do programa. Na data, as unidades da UFBA com melhores índices de redução das perdas e desperdícios de água foram homenageadas, entre elas a Escola de Dança e Instituto de Letras. A previsão é que mais dois seminários ocorram, um no campus do Canela, outro na Federação, para atrair o público específicos desses campi. O programa não atua exclusivamente na UFBA e acumula ações de sucesso em outras instituições – entre elas, Governo do Estado da Bahia, UFRB, UFOB e Sebrae.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*
Website