Estudo multidisciplinar liderado pela UFBA identifica bairros de Salvador mais vulneráveis à Covid-19

Download PDF

Os bairros de Salvador com maior risco para disseminação do novo coronavírus, em razão da circulação das pessoas e de aspectos socioeconômicos, foram identificados em um estudo realizado pelo grupo GeoCombate Covid-19 BA, que conta com a participação de professores de diversas unidades da UFBA. Sobre o assunto, o grupo apresentou uma nota técnica na segunda-feira, 30 de março.

A análise levou em conta a dinâmica dos fluxos de indivíduos no município de Salvador; a atual distribuição espacial dos casos de Covid-19; índices de desenvolvimento humano municipal de cada bairro; densidade ocupacional domiciliar (quantidade de indivíduos que vivem em cada cômodo); e o risco associado ao abastecimento de água e esgotamento sanitário inadequados.

Entres os bairros que mais preocupam os pesquisadores estão Tororó, Vila Canária, Santa Cruz, Pirajá, Nova Constituinte, Santa Luzia, Boa Vista de São Caetano e Sussuarana. Uma série de mapas foi elaborada para classificar as regiões com maior vulnerabilidade à expansão da doença em relação a cada um dos fatores avaliados, com uma classificação de risco que vai de muito baixo até muito alto. Os bairros citados aparecem em posições críticas nos rankings destes índices.

O professor Jorge Ubirajara, do departamento de Engenharia de Transportes da Escola Politécnica da UFBA, revela preocupação com o potencial de expansão do vírus nos bairros periféricos e mais populosos. As viagens rígidas, como é o exemplo dos profissionais que precisam se deslocar de suas casas para o trabalho, podem favorecer a disseminação da doença para áreas onde é menor a capacidade de reação à pandemia. “Muitos bairros não têm condições básicas para enfrentar essa crise”, adverte.

“As informações apresentadas pelo estudo devem contribuir com as ações dos poderes públicos e definir áreas prioritárias”, afirma Ubirajara, que acredita que as informações produzidas podem ajudar a diminuir a janela de tempo entre novas contaminações e as respostas dos poderes públicos.

Os dados fornecem embasamento técnico para orientar medidas como a definição de locais para aplicação de testes, monitoramento de casos e isolamento de indivíduos fora de suas residências nas situações em que a alta densidade domiciliar inviabiliza a quarentena doméstica. Essa gestão territorial é mais uma ferramenta que poderá ser adotada para salvar vidas, salienta o pesquisador.

Ubirajara ressalta a importância do isolamento social nesse momento, bem como a necessidade do auxílio financeiro governamental para que as pessoas que assim o necessitem possam cumprir as orientações das autoridades de saúde e tenham condições materiais de permanecer em casa. Por fim, Ubirajara cita tecnologias já adotadas em outros países, como o monitoramento do fluxo de pessoas através dos sinais de seus telefones celulares, que devem ser consideradas.

Foram analisadas pelo estudo as informações do Governo do Estado da Bahia acerca da distribuição de viagens na Pesquisa Origem-Destino (OD) e os dados da Secretaria Municipal de Saúde sobre a espacialização dos casos por bairro. Também foram avaliados o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), o Índice de Vulnerabilidade Social, a densidade habitacional (medida pela proporção da população vivendo em domicílios com mais de dois indivíduos por cômodo) e a proporção de domicílios com abastecimento de água e esgotamento sanitários inadequados. Esses indicadores foram extraídos diretamente do Atlas da Vulnerabilidade Social, de iniciativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), baseado em dados do Censo Demográfico de 2010.

Confira os mapas:

mapa 1

mapa 2mapa 3mapa 4mapa 5Estudos continuam

O grupo GeoCombate Covid-19 BA continuará investindo na coleta de dados atualizados e em pesquisas acerca da localização espacial da doença e seu potencial de espalhamento através do sistema de transporte público e do trânsito de pessoas pela cidade.

Integrante do grupo, a professora Fabíola Andrade, também da Escola Politécnica, chama atenção para a necessidade de informações mais detalhadas sobre os casos confirmados. Sugere que as informações da doença associadas aos bairros forneçam dados mais precisos, como, por exemplo, a localização das ruas onde há casos confirmados. “Assim será possível fazer um rastreamento mais eficiente dos casos”, avalia.

Ela ressalta que os mapas demonstram a necessidade de priorizar ações de combate à pandemia nas áreas mais vulneráveis em relação a outras com menor potencial para a expansão da doença. A professora diz que o grupo também pretende expandir o estudo para o Estado da Bahia e está disponível para a realização de novas pesquisas a partir de demandas do poder público.

O grupo GeoCombate é coordenado por professores pesquisadores da UFBA e composto também por profissionais autônomos ou ligados a órgãos executivos do poder público municipal, estadual e federal. Na sua formação, abrange diversas áreas do conhecimento, tais como Geografia, Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia de Transportes, Ciência de Dados, Saúde Pública, Geologia e Economia, com ênfase em análise espacial.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*
Website