Conheça os procedimentos acadêmicos para o funcionamento do Semestre Suplementar

Download PDF

Orientações sobre os procedimentos acadêmicos que devem ser observados pelos departamentos e colegiados para o Semestre Letivo Suplementar (SLS 2020) da UFBA foram apresentados em uma transmissão online realizada no dia 18 de agosto pelas pró-reitorias de Ensino de Graduação (Prograd), Pós-graduação (Propg) e de Extensão (Proext) e superintendências de Administração Acadêmica (Supac) e de Educação a Distância (Sead).

Enfatizando necessidade de “estabelecer uma relação acadêmica – ensino, pesquisa e extensão – de modo não presencial com os estudantes, devido à interrupção das atividades presenciais”, o pró-reitor de Ensino de Graduação, Penildon Silva Filho, explicou que o objetivo da sessão foi dar segmento ao trabalho de discussão, viabilização e implementação do SLS 2020. Aberto ao público, o encontro virtual tirou dúvidas de coordenadores e secretários de colegiados e chefes de departamentos de várias unidades acadêmicas da UFBA.

O pró-reitor pontuou que, segundo a resolução do Conselho Universitário (Consuni), o SLS 2020 possui características como flexibilidade, autonomia e inovação, de modo que os estudantes não serão obrigados, por exemplo, a efetivar matrícula e participar. “Os alunos que não se adaptem ao ambiente virtual ou não disponham de condições socioeconômicas de acessibilidade para acompanhar os conteúdos online não serão penalizados”, afirmou Penildon.

Para esse período letivo, que começa no próximo dia 08 de setembro, o pró-reitor destacou que os departamentos, em acordo com os colegiados de cada curso, poderão tanto ofertar disciplinas que já estão regularmente previstas, conforme o projeto pedagógico do curso, como ofertar disciplinas novas, uma vez que, excepcionalmente para esse semestre, conteúdos e programas podem ser condensados e adaptados a novas disciplinas específicas.

As disciplinas regulares serão automaticamente aproveitadas e transportadas para o ambiente virtual. Já as especialmente criadas para o SLS 2020 precisam da aprovação dos respectivos departamentos. As atividades complementares de ensino, também conhecidas como extracurriculares, poderão ser transformadas em atividades de extensão e aproveitadas como atividades complementares pelos estudantes, recomendou o pró-reitor.

Na inscrição para o SLS 2020, os estudantes poderão escolher um ou mais componentes curriculares, dentro do limite de 340 horas. “Esse limite foi pensado para que os estudantes possam se inscrever em cinco disciplinas de 68 horas ou em até 10 componentes de carga horária menor. Mas, se houver necessidade específica de algum estudante concluinte, os departamentos também poderão julgar e autorizar uma carga horária maior”, ressalvou.

O caráter de flexibilidade e autonomia permite aos professores – que devem ter um mínimo de quatro horas de atividades virtuais –  justificarem-se em seus departamentos e serem liberados se não tiverem condições de adaptação às atividades virtuais. “Por isso, estamos incentivando a atitude colaborativa, com dois, três ou mais professores responsáveis por cada componente: um ajudando o outro, pois este é um semestre de aprendizado e experimentação”, enfatizou Penildon.

Interação e colaboração

EAD-professores

Professores devem promover atividades autorais com as funcionalidades do AVA Moodle.

A proposta de educação online para o SLS 2020 tomou como referência básica a formação dos docentes em educação integrada e aberta; conhecimento como obra aberta; e curadoria e conhecimentos online, explicou a superintendente de Educação a Distância, Márcia Rangel. Ela destacou o trabalho realizado na ambiência computacional e a necessidade das alterações específicas na plataforma Moodle visando ao período letivo excepcional. O objetivo do “novo Moodle” é melhorar a interação entre professores e alunos, num ambiente mais adequado à aprendizagem colaborativa desse semestre não presencial.

Além disso, há o incentivo aos professores para que promovam atividades autorais com as funcionalidades do Moodle, ampliando a mediação docente ativa e realizando avaliação baseada em competências formativas e colaborativas, usando a criatividade para ir além das notas, destaca a superintendente. Todo esse trabalho, observa Rangel, é apoiado pela rede colaborativa formada pelas pró-reitorias e superintendências visando à viabilização desse semestre.

Para a superintendente de Administração Acadêmica, Nancy Rita Vieira, a Universidade vivencia um grande desafio, que é encontrar os meios mais produtivos adequados, com eficiência e qualidade, para a implantação do semestre suplementar: “Estamos numa realidade de organização de todos os procedimentos nos dois sistemas (SIAC, sistema acadêmico utilizado na gestão da graduação, e SIGAA, utilizado na pós-graduação), em pleno funcionamento e com suas peculiaridades, para que possam funcionar de acordo com a proposta aprovada para o SLS. Por isso, a Supac publicou orientações para facilitar o planejamento do SLS, chamando atenção para prazos, procedimentos e orientações para os colegiados”, disse Vieira.

Cerca de 40 mil estudantes veteranos já receberam e-mails informando como devem realizar a matrícula web, informou a superintendente. No momento, estão sendo providenciados os “editais convocando os classificados no SISU 2020.2, no processo seletivo dos Bacharelados Interdisciplinares para os cursos de progressão linear (CPL) e também dos aprovados pelos programas de pós-graduação, que realizaram seleção para 2020.2, além dos cursos de latus sensus e EaD, para entrarem neste SLS”, acrescentou.

Extensão no SLS

Para tornar o SLS 2020 mais rico de possibilidades, a pró-reitora de Extensão da UFBA, Fabiana Dultra Britto, estimulou os professores a pensar, também, na oferta de atividades de extensão. E orientou os estudantes a participar das atividades de extensão, apresentando posteriormente os certificados aos colegiados de seus cursos, para que sejam validadas como atividade complementar.

Eventos como cursos, minicursos, rodas de conversa, seminários, palestras e outros que são realizados pelos docentes podem ser considerados atividades de extensão, desde que sejam abertos à inscrição dos estudantes da Universidade e a interessados de outros setores da sociedade. O professor Penildon também vê essa abertura à sociedade como uma “oportunidade boa para que a Universidade amplie seu relacionamento com a comunidade externa”.

Para esse SLS, há um detalhe a ser observado: “a possibilidade de professores associarem uma atividade de extensão às suas atividades de ensino, ou seja, o componente curricular de ensino pode ter uma atividade associada, registrada também no Sistema de Extensão da UFBA (Siatex)”, explicou Fabiana.

A pró-reitora enfatizou que, no SLS 2020, as duas atividades – ensino e extensão – poderão ser realizadas pelo docente ao mesmo tempo e no mesmo endereço eletrônico. Desse modo, será possível que estudantes regulares compartilhem a mesma sala de aula virtual com pessoas de outros segmentos, desde que todos estejam inscritos na mesma atividade de extensão, registrada pelo docente no sistema da extensão. Para essas atividades, serão emitidas as certificações específicas de participação para os diversos públicos, mas os estudantes da UFBA poderão optar pelo registro de ensino ou de extensão. Ela alerta que estudantes “não poderão ter as duas possibilidades de aproveitamento para a mesma atividade”.

Fabiana Dultra também destacou que os cursos de especialização lato sensu também devem seguir as normas do Semestre Letivo Suplementar. Diferente das especializações EaD, que já foram criadas para o ambiente virtual, “as especializações presenciais que admitirem adaptação para a não presencialidade deverão aprovar os ajustes em seus colegiados, e os estudantes que puderem participar poderão se inscrever para as suplementações oferecidas”, explicou.

A pró-reitora informou que será publicada uma resolução do Conselho de Pesquisa de Extensão (Capex), orientando sobre a realização das atividades de extensão desde o ensino até a pesquisa.

Bolsistas da Fapesp têm que se matricular

O pró-reitor de Ensino de Pós-graduação, Sérgio Ferreira, enfatizou que todos os estudantes bolsistas (iniciação científica da graduação e pesquisadores da pós-graduação) devem se matricular e participar das atividades suplementares oferecidas pela UFBA no SLS 2020. O pró-reitor observa que a matrícula é condição para implementação, no próximo mês de outubro, das bolsas mantidas pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb).

Ferreira ressaltou que, diferente da flexibilidade de participação no SLS prevista para os demais estudantes, “os bolsistas da Fapesb devem estar regularmente matriculados em componentes curriculares e apresentar relatórios à instituição mantenedora das bolsas. Caso contrário, poderá haver sanções, inclusive de devolução de valores para a Fapesb”, alertou o professor.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*
Website