A UFBA saúda e recebe de braços abertos o Fórum Social Mundial 2018

Download PDF

FSM 2018

O Conselho Universitário da UFBA (Consuni) aprovou na sexta-feira, 9, moção de apoio à realização do Fórum Social Mundial 2018 no ambiente da Universidade. É no campus de Ondina, principalmente, e em unidades do campus do Canela, que vai acontecer a maior parte das mais de 1.500 atividades que vão agitar Salvador com grandes debates de ideias e estratégias, cursos, manifestações socioculturais e políticas de toda ordem,  intervenções artísticas e um sem fim de expressões populares ou eruditas. culturais, de 13 a 17 de março. Tudo isso sob a égide da máxima dessa 13a versão do Fórum, “resistir é criar, resistir é transformar”.

O reitor João Carlos Salles já dissera em entrevista coletiva alguns dias antes que “é uma honra e uma grande responsabilidade para a UFBA sediar o Fórum Social Mundial 2018”, um grande e extraordinário evento em que “abertamente se debate um outro mundo possível, mais justo, mais inclusivo, mais diverso e democrático, menos desigual, e os caminhos para construirmos esse mundo”.

O Conselho referendou a importância singular da realização e manifestou seu apoio à energia que a comunidade da UFBA está investindo para que se viva com o Fórum em Salvador um tempo de reflexão lúcida e profunda. Como também já dissera o reitor à imprensa no começo da semana, o Fórum não é alheio ao que a universidade tem vivido e, em vez disso, “é um lugar para dizer que a universidade pública é central na formação intelectual, na produção de conhecimento, mas também na formação de valores éticos e na formação cidadã. Um lugar para dizer que nenhum novo mundo possível vale a pena sem uma universidade pública, gratuita e de qualidade”.

MapacorDatabranca

Assim,  a Universidade Federal da Bahia está pronta para receber o Fórum Social Mundial 2018, uma iniciativa dos movimentos sociais e das organizações não governamentais, da sociedade civil organizada, nascida em Porto Alegre, lá em 2001. E que segue promovendo encontros democráticos, plurais e de resistência, com o objetivo de incentivar debates, aprofundar a reflexão coletiva, a troca de experiências e a constituição de coalizões e de redes entre os movimentos da sociedade civil organizada e organizações comunitárias que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do mundo pelo capital.

O encontro anterior a este de Salvador  foi realizado no Canadá, em 2016. E pela experiência dos anos passados, os organizadores do Fórum estimam em 50 mil o número de pessoas que participarão do evento em Salvador, vindas de 120 países e das nações e territórios de130 povos indígenas. Essa multidão vai fazer e participar de cerca de 1.600 atividades aprovadas, 270 das quais propostas pela UFBA.

forum_ufba_fundo_azul

Vão cobrir esse megaevento, que além das atividades nos campi da UFBA terá outras em territórios como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário da cidade, 200 jornalistas brasileiros e estrangeiros já credenciados.

Marcha de abertura: encontro da diversidade das lutas e da ciência

Após a cerimônia de abertura da UFBA no Fórum, que será realizada na reitoria, às 14h, com homenagens aos cientistas Sonia Andrade e Zilton Andrade e ao Mestre Didi (ver http://www.edgardigital.ufba.br/?p=6685), os participantes se dirigirão para a tradicional Marcha de Abertura do FSM. A concentração para essa marcha começa às 15h da terça,13 de março, no Campo Grande. Por volta das 16h, todos sairão em direção à Praça Castro Alves.

Umfaixasa novidade na marcha deste ano será a incorporação de uma ala de pesquisadores da UFBA no grande grupo, que quer chamar a atenção para a necessidade de defender a ciência e a tecnologia no país, ameaçada pelo corte dramático de recursos públicos nos últimos anos, situação, aliás, que vem sendo vivida em vários outros países.

Em seus quatro quilômetros, estima-se que milhares de pessoas tomem as ruas do Centro de Salvador. Com desfecho aos pés do poeta Castro Alves, na “Praça do Povo”, como é conhecida, a grande abertura contará com um palco para apresentações culturais, performances artísticas e musicais. O propósito da marcha é estimular organizações, coletivos, redes e pessoas a expressarem suas lutas por “um outro mundo possível! ”.

Personalidades brasileiras e mundiais convergem para a Bahia

Reconhecidos lutadores pelas causas sociais em todo o mundo estarão presentes no Fórum Social Mundial. Entre as personalidades brasileiras, já confirmaram presença no evento o ex-presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, a Yalorixá Makota Valdina; a militante indígena Sônia Guajajara; o dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos, entre outros.

De várias partes do mundo, personalidades também confirmaram presença, entre elas, a presidente da Fundação Franz Fanon, MireilleFanon Mendes France; a presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM), Lorena Peña; o ex-presidente paraguaio, Fernando Lugo; Abdellah Saaf, ex-ministro da educação nacional de Marrocos e diretor do centro de pesquisa de ciências sociais; Boaventura de Sousa Santos, cientista político; o filósofo do Congo, Godefroid Ka Mana Kangudie; Francine Mestrum, da Justiça Global Social.

Participarão também de atividades no FSM Kamal lahbib, defensor dos direitos humanos de Marrocos, ex-preso político; Eda Duzgun, liderança das mulheres curdas; Sara Soujar, do Movimento de Combate ao racismo e xenofobia do Norte de Marrocos; Mamadou Sarr, militante da Mauritânia para defesa dos Negros; Jamal Juma, ativista palestino da campanha BDS de boicote à Israel; Mattews Ban, liderança sulafricana do movimento de trabalhadores rurais e Gustave Massaih, membro fundador do movimento de Maio 68, na França.

Do mundo das artes, farão parte das apresentações culturais durante o fórum nomes como Ana Cañas, Ilê Aiyê, Tulipa Ruiz, Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA), Margareth Menezes, Filarmônica Minerva Cachoeirana, Lazzo Matumbi, o rapper Flávio Renegado, e as artistas baianas, Clécia Queiroz, Banda Didá, Juliana Ribeiro, Marcia Short, entre outras performances artísticas.

Assembleia Mundial das Mulheres

mulheresnegras-1038x740

A Assembleia Mundial das Mulheres sempre foi ponto alto no FSM. E em Salvador trará a inovação de ser atividade única e exclusiva da programação oficial do FSM 2018 na manhã da sexta-feira, 16. Com isso se quer assegurar que as mulheres com outras agendas políticas no Fórum estejam liberadas para debater suas questões de gênero, pautas feministas e lutas das mulheres, como a criminalização do aborto, o feminicídio, o combate à violência contra a mulher e o machismo, entres outras. “O Feminismo e as Lutas das Mulheres”, é o tema definido como um dos eixos temáticos do FSM 2018.

A Assembleia Mundial de Mulheres deve ser um momento expressivo da troca de ideias e experiências entre mulheres do mundo inteiro e dela sairá uma grande colaboração para o movimento feminista e as lutas gerais, a “Carta com os 10 Pontos Inegociáveis” da luta das mulheres em todo o mundo e a criação de uma frente de ação e articulação internacional para acompanhar os avanços dessa iniciativa.

Acampamento Intercontinental da Juventude

 Mais do que um alojamento, um território de extensão para debates e discussões políticas do Fórum Social Mundial (FSM2018), o Acampamento Intercontinental da Juventude (AIJ), nesta edição, ocupará o Parque de Exposições Agropecuárias de Salvador, de 11 a 18 de março, com capacidade para receber mais de seis mil jovens.

Atos, shows e assembleia farão parte das atividades no AIJ, e contará também com uma vila gastronômica da economia solidária, palcos livres para apresentações culturais, mesa-redonda, e o “ritmos da juventude”, que são apresentações com artistas que dialogam com temas sobre as perspectivas e problemáticas que envolvem os jovens.

Veja a Programação completa do FSM e das atividades autogestionadas no site.

Com informações da assessoria de imprensa da organização do Fórum Social Mundial

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*
Website