Quatro pesquisadores da UFBA recebem Prêmio Confap 2021 da Fapesb

Download PDF
fapesb2

(Foto: Ascom/Fapesb/Secti)

Quatro pesquisadores da UFBA foram premiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb) por suas contribuições para o avanço da pesquisa na Bahia. Em solenidade a terça-feira, 14 de dezembro, eles receberam placas em alusão ao Prêmio Confap de Ciência, Tecnologia e Inovação “Francisco Romeu Landi”, iniciativa do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), com patrocínio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Os homenageados da UFBA foram, na categoria pesquisador destaque em ciências da vida, Álvaro Augusto Souza da Cruz Filho, da Faculdade de Medicina; nas ciências exatas, José Maria Landim Dominguez, do Instituto de Geociências; nas ciências humanas, Jacyra Andrade Mota, do Instituto de Letras; na inovação para o setor público, Márcio Galvão Guimarães de Oliveira, do Instituto Multidisciplinar em Saúde. Outras duas premiadas foram Patrícia Virgínia Silva Lordelo, da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, na categoria pesquisador inovador para o setor empresarial; e Bianca Brito, do Ifbaiano, na categoria profissional de comunicação.

Esses seis pesquisadores representaram a Bahia na etapa nacional do Prêmio Confap, conselho que reúne todas as fundações de amparo à pesquisa do Brasil. Nessa etapa, a professora Jacyra Mota conquistou o terceiro lugar. “Hoje eu me sinto orgulhosa e feliz em saber que a sociedade conhece este trabalho que venho fazendo. No mundo de hoje, onde vivemos com tanto negacionismo, ver que há pessoas que estão reconhecendo e que dão valor ao trabalho dos professores e dos pesquisadores, é um ponto muito positivo para a sociedade e para o país. Apesar de tudo, estamos vivos e trabalhando”, comemorou.

Presente na solenidade, o reitor João Carlos Salles destacou que o prêmio é mais uma porta para a valorização das instituições federais que, apesar da escassez de recursos e fontes de financiamento, ainda conseguem se destacar. “Este prêmio tem uma dupla face. Primeiro, ele valoriza as instituições e mostra que elas continuam produzindo com qualidade, que as instituições continuam sendo uma referência de conhecimento, de pesquisa e isso é muito importante. A outra face é que ele destaca o talento dos pesquisadores que nesse ambiente trazem inovação, a sua criatividade e a sua contribuição singular e intransferível que só vem reforçar o aspecto também institucional de todo esse evento”.

Para a secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Adélia Pinheiro, o prêmio é importante para que se mostre que, apesar do momento que o país vive, ainda há esperança. “Seguimos lutando e trabalhando juntos para que a ciência, a tecnologia e a inovação sigam em destaque na sociedade, fazendo a diferença e beneficiando a população. Precisamos consertar o nosso país e o caminho é através da educação, da pesquisa, desse trabalho que lutamos todos os dias para mantê-lo vivo. Os homenageados que estão aqui são apenas uma parte de um ecossistema que faz a diferença na vida de muita gente Brasil afora”, disse.

O diretor geral da Fapesb, Márcio Costa, lembrou que iniciativas como essa permitem que o trabalho dos pesquisadores seja reconhecido pela sua maior beneficiária, a população. “Essa é uma ação que visa a contribuir para que a gente evite, ou pelo menos mitigue, esse cenário atual que estamos vivenciando de negacionismo da ciência em todos os seus desdobramentos. É importante que a Fapesb, junto com os demais parceiros, continuem trabalhando para dar visibilidade nas divulgações, premiações e reconhecimento aos pesquisadores que transformam a sociedade”, afirmou.

Com informações da Ascom Fapesb/Secti